Moradores de rua expõem obras na Pinacoteca de São Paulo

Ao todo, são 140 gravuras feitas por moradores de albergues. Eles dividem espaço com obras de artistas como Brecheret.

Do G1, com informações do Jornal Nacional:

A Pinacoteca de São Paulo abriu as portas para mostrar obras de 30 pessoas que moram ou que já moraram nas ruas.

O desenho de uma casa está nítido na memória da infância. Só quando crescemos é que descobrimos que ela é feita tijolo por tijolo, e que somos nós que a construímos. As 140 gravuras expostas na Pinacoteca são de quem não tem casa, gente que vive em situação de rua e que aqui tenta entender os claros e escuros da vida e da arte.

Eles frequentaram oficinas de artes e, agora, dividem o espaço com trabalhos de artistas consagrados, como Vitor Brecheret.

Sandra carrega uma herança de abandono. O pai abandonou a mãe, que abandonou os filhos. E ela, por sua vez, entregou o filho de 1 ano num abrigo. “Um dia eu dormia num albergue, outro dia em outro albergue”, conta ela.

Todos esses novos artistas têm uma história de solidão e se sentiram acolhidos em oficinas de arte nas casas de conveniência que frequentam.

A arte ajudou a pessoa a voltar para a infância, resgatar sonhos, a descobrir algo que não achava mais que fosse capaz”, diz Hedwig Knist, coordenadora das oficinas de arte.

Fonte: TV Globo – Jornal Nacional 10.03.2009
Link para página no G1: https://goo.gl/sJPJNn